Balança comercial do Agro Paulista bate recorde em 2023 com superávit de US$ 23,34 bilhões

Os resultados durante o ano indicavam a grande possibilidade das exportações e do saldo do agro paulista ultrapassarem os valores recordes obtidos em 2022

O saldo da balança comercial do Agro Paulista registrou superávit de US$ 23,34 bilhões em 2023, valor recorde da série histórica, sendo 11,8% superior na comparação com o ano de 2022, de acordo com os dados consolidados pelo Instituto de Economia Agrícola (IEA), da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado. As exportações atingiram o recorde de US$28,39 bilhões, um aumento de 9,3% em relação a 2022, e as importações tiveram queda de 1% no período, registrando US$5,05 bilhões.

A participação das exportações do agronegócio paulista no estado em 2023 foi de 40% e das importações setoriais de 7,0%. As exportações totais de São Paulo somaram US$71,03 bilhões (20,9% do total nacional), e as importações, US$71,78 bilhões (29,8% do total do país). Em relação ao mesmo período de 2022, houve aumento nas exportações de 2% e queda de 12% nas importações.

De acordo com o secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Guilherme Piai, o recorde demonstra a força do agro paulista e o setor sucroenergético tem contribuído fortemente para o bom desempenho das exportações paulistas. Os derivados da cana – açúcar e etanol – garantem o primeiro lugar dos embarques mensais, representando 40% das exportações do Estado de São Paulo. “Embora a participação do etanol ainda seja pequena no resultado da balança, o combustível tem se destacado quando o assunto é minimizar o impacto ambiental, foco dos mais importantes eventos internacionais sobre o clima. Nosso objetivo é tornar o Estado de São Paulo referência no uso de energias renováveis e indústria verde. Uma revolução silenciosa está ocorrendo nos campos rurais paulistas, o chamado “pré-sal caipira”, revela Guilherme Piai.

Exportação por Grupo de Produtos

Os cinco principais produtos exportados em 2023, e que representaram 79,3% das vendas foram: complexo sucroalcooleiro (US$ 10,76 bilhões, sendo que desse total o açúcar representou 88,2% e o álcool etílico – etanol, 11,8%); complexo soja (US$ 3,64 bilhões, tendo a soja em grão 82,7% de participação no grupo); setor de carnes (US$ 3,15 bilhões, em que a carne bovina respondeu por 82,6%); produtos florestais (US$ 2,70 bilhões, com participações de 51,1% de celulose e 41,1% de papel) e o grupo de sucos (US$ 2,27 bilhões, dos quais 97,7% referentes a suco de laranja).

O grupo de café, tradicional nas vendas externas paulistas, aparece na oitava posição, com vendas de US$896,95 milhões (69,0% referentes ao café verde e 24,4% de café solúvel).

Em 2023 na comparação com 2022, importantes alterações nos valores exportados dos principais grupos de produtos da pauta paulista, registram aumentos para os do complexo sucroalcooleiro (+26,8%) e de sucos (+18,3%), e quedas nos de carnes (-21,1%), café (-11,8%), florestais (-1,2%) e complexo soja (-0,2%).

Principais destinos das exportações paulistas

A China é o principal destino das exportações do estado com US$7,26 bilhões e detém 25,6% de participação no total do agro paulista. Na segunda posição aparece a União Europeia (US$3,83 bilhões, 11,9% de participação em 2023, seguido pelos Estados Unidos (US$2,81 bilhões, participação de 9,9% e incremento de 9,41% em valores). Completando os 10 principais destinos, em participação, aparecem Índia (3,5%), Indonésia (2,7%), Arábia Saudita (2,4%), Nigéria (2,3%), Argélia (2,2%), Coreia do Sul (2,1%) e Marrocos (2,0%), que representam 65% do total.

Dos três principais parceiros do agro SP, a China importou principalmente produtos do complexo soja (33,4%), carnes (22,3%), setor sucroalcooleiro (18,6%) e produtos florestais (13,5%). A União Europeia predomina o grupo de sucos (33,8%, basicamente de laranja), seguidos do sucroalcooleiro (13,9%) e café (10,8%), enquanto os Estados Unidos (28,4%) são do grupo de sucos, sucroalcooleiro (14,2%), carnes (13,3%), produtos florestais (8,9%) e café (4,5%).

Importações paulistas

Em 2023, os principais produtos de importação do agronegócio paulista foram: papel (US$394,16 milhões), salmão (US$380,16 milhões) e trigo (US$300,08 milhões) e representando 21% do total importado (US$5,05 bilhões).

Notícias Relacionadas

Informativo diário | cadastre-se agora e receba diariamente a principais notícias do mercado gratuitamente

Canal Mundo Agro

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Revista SuiSite

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

sui1

Mulheres dirigem 1,7 milhão de propriedades rurais no Brasil e continuam quase invisíveis

Publicação Mulheres na Pecuária traz histórias femininas na gestão de fazendas pelo Brasil. Página 08.
sui2

De olho no mercado externo: com investimento de mais R$ 40 milhões, Topigs Norsvin inaugura Inovare Núcleo Genético, em Lages (SC)

Granja núcleo terá capacidade para alojar mais de mil bisavós; foco é mostrar ao mundo que o Brasil pode ser referência na produção e exportação de genética suína. Página 12.
sui3

Valor da Produção Agropecuária deve atingir R$ 1,159 trilhão este ano

Recordes de produção de lavouras respondem por esse resultado. Página 18.
sui4

Exportação cai, mas mercado doméstico se mantém estável

Estabilidade indica uma cautela nos elos finais da cadeia que não estariam ‘arriscando’ adquirir mais do que o que efetivamente será vendido. Página 20.
sui5

KemzymeTM Protease. Uma solução inovadora para melhoria da rentabilidade na produção de suínos

Com o aumento global dos custos para produção de proteína, é imprescindível que a digestibilidade desta seja melhorada.. Página 32.
imagem06

IPVS2022 tratará a suinocultura mundial de maneira holística

Os debates trarão informações e atualização de todos os elos da cadeia produtiva. Página 50.

imagem07

Está Chegando! Salão Internacional de Avicultura e Suinocultura 2022

Além das oportunidades de negócios, o SIAVS será palco do maior congresso técnico do setor, com intensa programação e mais de 100 palestrantes do Brasil e de outros países. Página 54.

imagem08

O suinocultor está pagando para trabalhar

A suinocultura enfrenta a sua pior crise. Os altos custos de produção vêm na contramão dos baixos preços pagos pelo quilo do suíno vivo. Página 56.

Fale agora no WhatsApp