Campeões de produtividade no milho inverno 2023 são revelados

Fórum Getap Inverno apresentou os ganhadores da 5ª edição do concurso que reconheceu os produtores que tiveram alta performance no cultivo do cereal nas categorias irrigado e sequeiro. No total foram 210 inscritos oriundos de nove estados brasileiros

Foram revelados na manhã desta terça-feira (28), em Indaiatuba/SP, os vencedores da 5ª edição do Concurso de Produtividade no Milho, realizado durante o Fórum Getap Inverno 2023. Essa edição contou com 210 inscritos dos quais 129 foram auditados e concorreram em duas categorias: cultivo irrigado e sequeiro. No total, agricultores de nove estados participaram (MA, BA, MT, MS, GO, MG, SP, PR, SC) que juntos representam quase 90% da área plantada de milho inverno no Brasil.

Na categoria milho sequeiro, o primeiro colocado foi Adalberto Ceretta, de Campos de Júlio/MT que atingiu a expressiva marca de 237,6 sc/ha com o híbrido Agroceres (uma das marcas da Bayer). A segunda colocação ficou com Loacir Tecchio de Tapurah/MT, que colheu 236,7 sc/ha, produtor inscrito pela ICL. Já a produtora Maria Fries, de Portelândia/GO, também inscrita pela ICL, chegou à terceira colocação com a produção de 231,3 sc/ha.

Na categoria milho irrigado o grande destaque foi o agricultor João Cornélio Michels, de Buritis/MG, que alcançou o tricampeonato com a colheita de 214,6 sc/ha. Ele, que desde 2021 é o produtor vencedor na categoria, utilizou o híbrido Agroceres. O segundo colocado foi Mitsuru Okubo, de Araguari/MG com a marca de 207,0 sc/ha, inscrito pela Protec. Finaliza o pódio, Decio Lopes de Presidente Olegário/MG que atingiu a terceira colocação, produzindo 184,1 sc/ha também inscrito pela Protec.

Mais premiados

O concurso reconheceu ainda agricultores que tiveram alta performance e se destacaram em suas respectivas regiões. Em Mato Grosso do Sul, Guenter Duch, do município de Chapadão do Sul, despontou com 220,9 sc/ha, com o híbrido Agroeste (uma das marcas da Bayer). Na Bahia foi a vez de Diego Santana, de Paripiranga, que colheu 208,4 sc/ha, (Mais Milho). No Paraná, o destaque veio da pequena cidade de Quarto Centenário, com o agricultor Mauro Carlucci, que produziu 186,8 sc/ha (Agroceres).

No Maranhão, a Sierentz Agro Brasil LTDA, de Balsas atingiu a marca de 186,1 sc/ha (Ihara). Em São Paulo, Leomir Baldissera, de Capão Bonito produziu 177,1 sc/ha (ICL), enquanto o produtor Guilherme Guimarães, de Ituporanga, foi o destaque de Santa Catarina colhendo 166,9 sc/ha (Agroceres).

Auditoria

Todas as áreas dos produtores inscritos foram auditadas pela equipe técnica do Grupo Somar, que tem ampla experiência neste mercado. Alguns indicadores chave de produção foram analisados durante a auditoria, entre eles: produtividade e população obtida, número e peso de grãos por espiga. Para finalizar o processo, os participantes recebem um relatório técnico completo, produzido pela equipe do Getap (Grupo Tático de Aumento de Produtividade), podendo comparar o seu desempenho com as médias dos demais produtores participantes.

O Getap é uma iniciativa que busca reunir especialistas do agronegócio para discutir temas relevantes e disseminar conhecimento e boas práticas no manejo da cultura do milho, com o objetivo de aumentar a produtividade e, consequentemente, a produção da cultura no Brasil. Para isso, é promovido o concurso, onde a indústria e a cadeia do agronegócio se reúnem para premiar produtores com os mais altos níveis de produtividade, alinhando isso à rentabilidade, tecnologia e sustentabilidade.

De acordo com Anderson Galvão, curador do Getap, os resultados desta 5ª edição do Concurso de Produtividade no Milho mostram o bom trabalho feito no campo pelos agricultores. “Gradativamente o projeto começa a dar evidência da importância da necessidade do crescimento e da melhoria da produtividade do milho no Brasil. Embora produtores de alta performance, como esses auditados pelo Getap, dão o caminho, ainda entendemos que há espaço para que as tecnologias agrícolas e as práticas agronômicas se tornem cada vez mais comuns nas diferentes regiões de produção no Brasil”, finaliza.

Notícias Relacionadas

Informativo diário | cadastre-se agora e receba diariamente a principais notícias do mercado gratuitamente

Canal Mundo Agro

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Revista SuiSite

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

sui1

Mulheres dirigem 1,7 milhão de propriedades rurais no Brasil e continuam quase invisíveis

Publicação Mulheres na Pecuária traz histórias femininas na gestão de fazendas pelo Brasil. Página 08.
sui2

De olho no mercado externo: com investimento de mais R$ 40 milhões, Topigs Norsvin inaugura Inovare Núcleo Genético, em Lages (SC)

Granja núcleo terá capacidade para alojar mais de mil bisavós; foco é mostrar ao mundo que o Brasil pode ser referência na produção e exportação de genética suína. Página 12.
sui3

Valor da Produção Agropecuária deve atingir R$ 1,159 trilhão este ano

Recordes de produção de lavouras respondem por esse resultado. Página 18.
sui4

Exportação cai, mas mercado doméstico se mantém estável

Estabilidade indica uma cautela nos elos finais da cadeia que não estariam ‘arriscando’ adquirir mais do que o que efetivamente será vendido. Página 20.
sui5

KemzymeTM Protease. Uma solução inovadora para melhoria da rentabilidade na produção de suínos

Com o aumento global dos custos para produção de proteína, é imprescindível que a digestibilidade desta seja melhorada.. Página 32.
imagem06

IPVS2022 tratará a suinocultura mundial de maneira holística

Os debates trarão informações e atualização de todos os elos da cadeia produtiva. Página 50.

imagem07

Está Chegando! Salão Internacional de Avicultura e Suinocultura 2022

Além das oportunidades de negócios, o SIAVS será palco do maior congresso técnico do setor, com intensa programação e mais de 100 palestrantes do Brasil e de outros países. Página 54.

imagem08

O suinocultor está pagando para trabalhar

A suinocultura enfrenta a sua pior crise. Os altos custos de produção vêm na contramão dos baixos preços pagos pelo quilo do suíno vivo. Página 56.

Fale agora no WhatsApp