Consumo de carne cairá no Brasil e na Argentina, dizem FAO e OCDE

Na América Latina, a maior exportadora de commodities agrícolas do mundo, queda da renda da população acentua a fome

O consumo de carne bovina continuará em queda no mundo, sendo substituído pela carne de frango, inclusive no Brasil e na Argentina, segundo avaliaram a Agência das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) e a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em relatório publicado nesta semana sobre as perspectivas agrícolas para os próximos dez anos.

A estimativa é de que o consumo global de carne bovina aumente em mais 76 milhões de toneladas até 2031. No entanto, o consumo per capita vem caindo desde 2007 e poderá ter queda adicional de 2% nos próximos dez anos.

A região da Ásia e Pacífico é a única para a qual se projeta crescimento do consumo per capita de carne bovina nesse período, ainda que a partir de uma base baixa. Na China, o segundo maior consumidor mundial de carne bovina em termos absolutos, o consumo per capita deverá aumentar 10% até 2031, depois de ter crescido 50% na última década.

Mas, na maioria dos países com alto consumo per capita de carne bovina, a média deverá cair, com migração para carne de aves. Nas Américas e Oceania, por exemplo, regiões em que a preferência pela carne bovina está entre as mais altas no mundo, o consumo per capita deverá cair 2% no Brasil e no Canadá, 4% nos Estados Unidos, 5% na Argentina e, de maneira ainda mais significativa, na Oceania, para a qual FAO e OCDE estimam declínio de 15%.

Na América Latina, a provável diminuição do consumo deverá ser resultado, também, da diminuição da renda per capita, que encolheu 1,8% por ano na última década.

FAO e OCDE notam que a prevalência de subnutridos na região começou a crescer de novo. A partir de 2014, o impacto combinado de recessão econômica, deterioração das condições financeiras e disrupção nas cadeias de abastecimento aceleraram a tendência. Entre 2014 e 2020, o número de pessoas passando fome na América Latina aumentou 79%, e em 2020, 41% da população enfrentava moderada ou severa insegurança alimentar, segundo as duas organizações.

Em 2021, a pandemia aumentou a taxa de extrema pobreza na região para 13,8% (no ano anterior, a fatia era de 13,1%). Isso representou 13 milhões de pessoas a mais de pessoas na extrema pobreza, exacerbando a insegurança alimentar.

Ou seja, a região que é a maior exportadora de commodities agrícolas do mundo continua a enfrentar sérios problemas de fome em seus mercados.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Revista SuiSite

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data
AviSite
PecSite
PecSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

imagem01

Mais de 120 mil animais foram imunizados contra Peste Suína Clássica em Alagoas

A campanha faz parte do projeto piloto de implantação do Plano Estratégico Brasil Livre de Peste Suína Clássica (PSC). Página 18.

imagem02

Sistema de Gestão e Mobilidade à frente da Agroindústria 4.0

A Agrosys acompanha e segue atenta às mudanças que o mercado exige e entende que a transformação digital através de Sistemas de Gestão inteligentes tem sido essencial para alavancar todos os negócios relacionados à agroindústria. Página 20.

imagem03

Produção de carne suína de qualidade por meio de recursos genéticos e seus cruzamentos

Este trabalho apresenta algumas informações de pesquisa relacionadas à genética e demais fatores envolvidos nas alterações da qualidade da carne, e também as possíveis opções para melhorar a qualidade da carne no curto prazo, preservando o bom desempenho do sistema produtivo. Página 24.

imagem04

O que a genética reserva para o futuro da suinocultura

O advento de técnicas como a genômica, a edição genética, a evolução da bioinformática e o surgimento de novas metodologias reprodutivas, têm possibilitado um progresso genético mais rápido e eficaz. Página 34.

imagem05

Saúde intestinal na porca e seu impacto na produção de leite e resultados da leitegada

O período de lactação é fundamental na produção intensiva de suínos, pois ele está ligado diretamente ao desempenho subsequente dos leitões. Página 44.

imagem06

IPVS2022 tratará a suinocultura mundial de maneira holística

Os debates trarão informações e atualização de todos os elos da cadeia produtiva. Página 50.

imagem07

Está Chegando! Salão Internacional de Avicultura e Suinocultura 2022

Além das oportunidades de negócios, o SIAVS será palco do maior congresso técnico do setor, com intensa programação e mais de 100 palestrantes do Brasil e de outros países. Página 54.

imagem08

O suinocultor está pagando para trabalhar

A suinocultura enfrenta a sua pior crise. Os altos custos de produção vêm na contramão dos baixos preços pagos pelo quilo do suíno vivo. Página 56.

Fale agora no WhatsApp