Cooperativa Dália Alimentos cria um novo setor

Em fevereiro foi criado o Setor Produção de Grãos, com a supervisão de Roni Roese

O Setor de Grãos integra, desde o mês de fevereiro, a cadeia produtiva da Cooperativa Dália Alimentos, para cuja supervisão foi nomeado o Técnico Agrícola Roni Roese.

Roni Roese é o supervisor do Setor de Grãos

De acordo com Roese, sua nova função contempla o fomento à produção de grãos para atender a demanda existente. Cabe a ele, ainda, organizar e selecionar os produtores para o plantio, orientar tratos culturais, acompanhar a colheita e o recebimento dos grãos, fornecer orientações técnicas, desde a escolha das melhores sementes até a adubação e os manejos sanitários nas culturas. “Nosso principal objetivo é conseguirmos os melhores resultados para gerar renda para o produtor. Para isso, estamos cientes de que a cooperativa exige quantidade e, claro, qualidade na produção de grãos”, afirma.

Um dos maiores desafios ao assumir o novo cargo relaciona-se à escassez, combinada com a alta dos preços, dos insumos agrícolas. “Com a falta de insumos no mercado, precisamos de agricultores profissionalizados, capazes de conduzir uma lavoura de maneira correta, utilizando tecnologia de ponta para obter o melhor resultado. Temos desafios diante das intempéries climáticas, com as quais precisamos nos adaptar. No entanto, de nossa parte, faremos os tratos culturais corretos em conformidade com o momento certo para o plantio e a colheita”, explica.

Outro fator importante, de com acordo Roni, está em organizar a logística de distribuição. “Isso afeta toda a safra, desde o plantio, colheita até o recebimento de grãos na empresa. Tudo isso deve ser bem administrado, pois já possuímos experiências na parte de produção de silagem para as granjas de leite, onde foram fomentados em torno de 350 hectares de milho para silagem, por ano, o que seguimos supervisionando junto ao setor de grãos”, pondera.

Importância do novo setor

Segundo o gerente da Divisão de Produção Agropecuária (DPA), Fernando Araújo, nos últimos anos o mercado de grãos, especialmente o milho, sofreu muitas modificações e as operações se tornaram mais complexas e dinâmicas. “Em detrimento ao novo cenário, tivemos que nos adaptar, criando um grupo de trabalho específico para discutir assuntos e estratégias de negócios no mercado de grãos. Uma das primeiras resoluções deste grupo foi a criação do Setor Produção de Grãos, o qual deverá fomentar a produção de cereais no quadro social para a utilização em nossas fábricas de rações”, relata.

Ainda, conforme Araújo, os cereais produzidos nas propriedades, que serão acompanhadas pela equipe do novo setor, serão utilizados para a produção de rações que abastecem os programas de avicultura, suinocultura e bovinocultura leiteira. “O Setor de Grãos participará de todas as ações agrícolas que podem ajudar os produtores e extensionistas de outros programas de produção, como é o caso das forragens para os produtores de leite”, explica.

E conclui: “os grãos são muito importantes, pois as rações representam o principal custo de produção das cadeias de carnes e leite. O resultado deste novo setor poderá contribuir para melhorar a eficiência de toda a cadeia produtiva da cooperativa, além de proporcionar um incremento de renda para o quadro social.”

Trajetória

Roni Roese tem 44 anos de idade, nasceu no município de Teutônia e ingressou na Dália no ano de 2010 como Técnico em Agropecuária. Ele representou a cooperativa na região de Teutônia e Estrela até 2015, quando foi designado para gerir as quatro granjas leiteiras com ordenha robotizada, recrias e condução de lavouras que abastecem essas granjas. Agora, foi promovido a supervisor do novo setor.

Silos de ração na matriz em Encantado

Notícias Relacionadas

Informativo diário | cadastre-se agora e receba diariamente a principais notícias do mercado gratuitamente

Canal Mundo Agro

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Revista SuiSite

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

sui1

Mulheres dirigem 1,7 milhão de propriedades rurais no Brasil e continuam quase invisíveis

Publicação Mulheres na Pecuária traz histórias femininas na gestão de fazendas pelo Brasil. Página 08.
sui2

De olho no mercado externo: com investimento de mais R$ 40 milhões, Topigs Norsvin inaugura Inovare Núcleo Genético, em Lages (SC)

Granja núcleo terá capacidade para alojar mais de mil bisavós; foco é mostrar ao mundo que o Brasil pode ser referência na produção e exportação de genética suína. Página 12.
sui3

Valor da Produção Agropecuária deve atingir R$ 1,159 trilhão este ano

Recordes de produção de lavouras respondem por esse resultado. Página 18.
sui4

Exportação cai, mas mercado doméstico se mantém estável

Estabilidade indica uma cautela nos elos finais da cadeia que não estariam ‘arriscando’ adquirir mais do que o que efetivamente será vendido. Página 20.
sui5

KemzymeTM Protease. Uma solução inovadora para melhoria da rentabilidade na produção de suínos

Com o aumento global dos custos para produção de proteína, é imprescindível que a digestibilidade desta seja melhorada.. Página 32.
imagem06

IPVS2022 tratará a suinocultura mundial de maneira holística

Os debates trarão informações e atualização de todos os elos da cadeia produtiva. Página 50.

imagem07

Está Chegando! Salão Internacional de Avicultura e Suinocultura 2022

Além das oportunidades de negócios, o SIAVS será palco do maior congresso técnico do setor, com intensa programação e mais de 100 palestrantes do Brasil e de outros países. Página 54.

imagem08

O suinocultor está pagando para trabalhar

A suinocultura enfrenta a sua pior crise. Os altos custos de produção vêm na contramão dos baixos preços pagos pelo quilo do suíno vivo. Página 56.

Fale agora no WhatsApp