Onívoros, mas com fome de plant-based

Assim são os consumidores em Brasil, Argentina e Uruguai, segundo pesquisa encomendada pelo IICA

Os sul-americanos são predominantemente onívoros – ou seja, consideram que uma dieta bem equilibrada inclui o consumo de carnes, vegetais, grãos e frutas -, mas estão tentando reduzir o consumo de proteínas animais e experimentando cada vez mais alimentos plant-based. É o que aponta pesquisa feita por Mario Rioda, pesquisador e consultor para governos da América Latina e diretor do mestrado em Comunicação Política da Universidade Austral (Argentina), a pedido do Instituto Interamericano de Cooperação para Agricultura (IICA).

Ao entrevistar, em dezembro de 2021 e janeiro deste ano, mil pessoas nas cidades de Montevidéu (Uruguai), Rosário, Buenos Aires e Córdoba (Argentina) e Salvador, Rio de Janeiro e São Paulo (Brasil), Rioda identificou que 64,52% delas eram onívoras, 26,5% “flexitarianas” (que tentam diminuir o consumo de carnes), 6,5% vegetarianas, 2% veganas e 0,8% pescatarianas.

Dos três países, o Brasil era o que tinha mais onívoros – 70,5% do total -, enquanto a Argentina contava com o maior número de flexitarianos (37,3%). “Sabor, preço e aporte nutricional são os elementos que explicam o tipo de alimentação. Os onívoros normalmente pedem sabor, flexitarianos e pescatarianos buscam uma nutrição melhor, enquanto os vegetarianos e veganos costumam levar em conta convicções éticas sobre o consumo animal”, afirma o pesquisador.

A religião também pesa na decisão. Entre os hinduístas, 100% eram vegetarianos, enquanto entre os flexitarianos havia um maior número de agnósticos, ateus ou não-religiosos, com 23,5% do total nos países.

Dos grupos que consumiam carne bovina, suína, ovina ou caprina, 26,5% estavam reduzindo o consumo, 41,5% tentavam diminuir e 32% não tentavam. “A ideia de experimentar e variar alimentos é predominante, mas isso não deve ser confundido com mudança de hábitos alimentares para onívoros. Podemos observar que as pessoas com hábitos onívoros tendem a ser menos flexíveis que as de outros perfis para experimentar ou confiar em novos alimentos”, destaca Rioda.

Segundo o pesquisador, uma macroleitura mostra que a carne é insubstituível, indiscutível e não é vista como algo ruim, mas colide com o conceito de “matar para comer” que começa a ser encarado como um problema em algumas comunidades. “Entre aqueles que não comem carne, tudo o que tem a ver com carne é ruim ou negativo. A rejeição não é parcial e não admite moderação”.

No que se refere à carne produzida em laboratório, a inclinação para experimentá-la é alta entre onívoros e flexitarianos, e 73,6% dos entrevistados expressaram probabilidade total ou parcial de isso acontecer. Quase 74% dos brasileiros afirmaram estar dispostos a provar a carne de laboratório. Na Argentina, 63,2% mostraram essa disposição, e, no Uruguai, 61,6% – há maior resistência entre pessoas com mais de 60 anos. Mas, apesar dessa disposição, 60,3% dos entrevistados disseram que seria improvável que pagassem mais pela carne de laboratório.

A pesquisa de Rioda também considerou as proteínas à base de plantas e, nesse caso, 61,2% dos entrevistados expressaram uma probabilidade total ou parcial de experimentar produtos desse segmento. No Brasil, 70,8% dos entrevistados mostraram-se mais uma vez mais abertos a experimentações, proporção maior que na Argentina (56,9%) e Uruguai (50,1%). Pessoas com mais de 40 anos têm menor probabilidade de comer produtos plant-based em vez de carne.

A pesquisa também foi em busca de hábitos de preparo e consumo e detectou que mais de 70% dos entrevistados preparavam os alimentos em casa, que 29,3% pediam comida fora ou iam a restaurantes pelo menos uma vez por mês e que 26,6% o faziam uma ou duas vezes por semana. No Brasil, o percentual dos que consumiam alimentos fora de casa ou faziam pedidos uma ou duas vezes por semana chegou a 33,6%.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Revista SuiSite

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data
AviSite
PecSite
PecSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

imagem01

Mais de 120 mil animais foram imunizados contra Peste Suína Clássica em Alagoas

A campanha faz parte do projeto piloto de implantação do Plano Estratégico Brasil Livre de Peste Suína Clássica (PSC). Página 18.

imagem02

Sistema de Gestão e Mobilidade à frente da Agroindústria 4.0

A Agrosys acompanha e segue atenta às mudanças que o mercado exige e entende que a transformação digital através de Sistemas de Gestão inteligentes tem sido essencial para alavancar todos os negócios relacionados à agroindústria. Página 20.

imagem03

Produção de carne suína de qualidade por meio de recursos genéticos e seus cruzamentos

Este trabalho apresenta algumas informações de pesquisa relacionadas à genética e demais fatores envolvidos nas alterações da qualidade da carne, e também as possíveis opções para melhorar a qualidade da carne no curto prazo, preservando o bom desempenho do sistema produtivo. Página 24.

imagem04

O que a genética reserva para o futuro da suinocultura

O advento de técnicas como a genômica, a edição genética, a evolução da bioinformática e o surgimento de novas metodologias reprodutivas, têm possibilitado um progresso genético mais rápido e eficaz. Página 34.

imagem05

Saúde intestinal na porca e seu impacto na produção de leite e resultados da leitegada

O período de lactação é fundamental na produção intensiva de suínos, pois ele está ligado diretamente ao desempenho subsequente dos leitões. Página 44.

imagem06

IPVS2022 tratará a suinocultura mundial de maneira holística

Os debates trarão informações e atualização de todos os elos da cadeia produtiva. Página 50.

imagem07

Está Chegando! Salão Internacional de Avicultura e Suinocultura 2022

Além das oportunidades de negócios, o SIAVS será palco do maior congresso técnico do setor, com intensa programação e mais de 100 palestrantes do Brasil e de outros países. Página 54.

imagem08

O suinocultor está pagando para trabalhar

A suinocultura enfrenta a sua pior crise. Os altos custos de produção vêm na contramão dos baixos preços pagos pelo quilo do suíno vivo. Página 56.

Fale agora no WhatsApp